Goiás na vanguarda em Inteligência Artificial com lançamento do Ceia

Goiás na vanguarda em Inteligência Artificial com lançamento do Ceia

O futuro já se faz presente. A inteligência artificial (IA) não é mais ficção e as mudanças são inevitáveis, irreversíveis e imprescindíveis. O mundo investe em IA e o Estado de Goiás acompanha toda essa transformação em busca de potencializar a sua vocação para a inovação com o propósito de ser referência na área. Com essa premissa o Governo de Goiás, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) e Secretaria de Desenvolvimento e Inovação (Sedi) e a Universidade Federal de Goiás (UFG), por meio do seu Instituto de Informática, lançaram nesta quarta-feira, 18, o Centro de Excelência em Inteligência Artificial (Ceia).

A solenidade de lançamento foi realizada no auditório Mauro Borges do Palácio Pedro Ludovico Teixeira e reuniu o governador Ronaldo Caiado, o presidente da Fapeg, Robson Vieira, o reitor da UFG, Edward Madureira Brasil, o secretário de Desenvolvimento e Inovação, Adriano Rocha Lima, o professor da UFG e coordenador do Ceia, Anderson da Silva Soares e outros representantes dos governos federal, estadual e municipal, das instituições de ensino e pesquisa e do setor empresarial.

A expectativa é de que o Centro se transforme em um grande indutor para o desenvolvimento tecnológico de Goiás com base em Inteligência Artificial. Um termo de cooperação foi assinado os atores, por meio do qual a Fapeg vai destinar R$ 12 milhões para a estruturação do Ceia, que deve funcionar no subsolo do Centro Cultural Oscar Niemeyer, em Goiânia (GO).

O governador Ronaldo Caiado apontou que a estruturação do Ceia significa um passo adiante no campo da inovação estratégica. Para ele, o Estado está buscando soluções, por meio da tecnologia, para os problemas que afligem os goianos. “Estamos avançando e precisamos dar apoio ao que é fundamental, que é investir na Inteligência Artificial para produzir métodos melhores e mais competitivos que venham a beneficiar a vida dos 7 milhões de goianos e tornarmos referência mundial”, considerou.

Fonte: FAPEG.